A pergunta espanta, mas exige resposta.

Se você gaguejou ou simplesmente não soube responder, temos o desafio de olhar para dentro de casa e rever alguns conceitos básicos, pois honestidade é fundamental – principalmente na prestação do bom serviço.

Com a crescente problematização da política, denúncias de corrupção e a – quase eterna – crise que degenera o país, nasce o mar de manifestações e posicionamentos em prol de uma honestidade que na teoria é super bonita e altamente compartilhável.

Mas e a prática?

Esse é o ponto!

Ao observarmos marcas entrando na onda da honestidade, criticando políticos e se manifestando, também é possível perceber a contradição em seus discursos, uma vez que, em muitos casos, não entregam ao seu público o prometido na mensagem.

Essa ação pode ser considerada propaganda enganosa, certo? O que também caracteriza desonestidade e, pior ainda, muito semelhante ao problema crônico de corrupção que vivemos.

Um exemplo clássico do problema crônico

Teoria: uma hora de workshop online com conteúdo relevante.

Prática: dez minutos de conteúdo relevante e o restante do tempo promovendo a própria ferramenta e material de parceiros, sendo que o conteúdo ‘compartilhado’ durante o pouquíssimo tempo poderia ter sido encontrado no Google após alguns cliques.

Como se não bastasse, em boa parte dos casos são marcas famosas no meio onde atuam, promovem grandiosos eventos e reúnem profissionais com um currículo exemplar. É mole? Está aí um exemplo de contradição no que diz respeito ao tema proposto nesse artigo: falta de honestidade com o consumidor.

Seja diferente ou mantenha-se tentando.

A preocupação com as pessoas está evaporando, bem como a qualidade do conteúdo e a imagem de um mercado que tem tudo para dar certo.

Não é difícil, né? Pessoas buscam soluções criativas e eficientes por meio de um conteúdo valioso. Se além de oferecer isso, você ainda conseguir despertar a necessidade e permanência delas nos seus canais de comunicação o maior tempo possível, significa que escolheu a estratégia certa.

Sua marca pode propor essa transformação? Pode. Consegue cumprir a promessa?